Como perder a barriga indesejada

Como perder a barriga indesejada

Aqueles quilinhos a mais na barriga que tanto queremos perder, não é só por uma questão de estética, mas também, por uma questão de saúde. Muitos são os problemas que acarreta, desde pressão alta, até mesmo diabete do tipo 2 ou doenças cardiovasculares.

No entanto, quando começamos uma dieta, gostamos de ver logo os resultados, e quando isso demora a acontecer começamos a desanimar. Pode mesmo estar a ver os números da balança a baixarem, mas nada de desaparecer a barriguinha que tanto o incomoda.

De facto, essa gordura na barriga, mais conhecida como gordura visceral, não desaparece de um dia para o outro. Geralmente, quando fazemos dieta, a gordura na zona da barriga é a última a desaparecer, e, à medida que envelhecemos, torna-se ainda mais difícil. Contudo, há sempre o que possa fazer para combatê-la.

Dieta equilibrada

Quando pensamos em dieta, pensamos logo em reduzir a quantidade do que comemos e eliminar a gordura. Para uma dieta equilibrada precisamos de comer gordura. Ingira gordura boa, tais como o azeite e o óleo de coco.

Coma mais peixe, carne magra, legumes e fruta e modere a quantidade de produtos lácteos e frutos secos. E tente evitar o sal e o fast food.

Reduza a ingestão de hidratos de carbono processados.

Evite o açúcar e as bebidas açucaradas, prefira sempre água.

Hidratação

A hidratação também é fundamental para o nosso metabolismo. Beba pelo menos 8 copos de água por dia. Sabia que, se não bebermos água o suficiente, o seu organismo pode ficar com dificuldades em realizar funções vitais, tais como, o funcionamento dos rins ou uma boa digestão?!

Se não gosta de beber água, tente dar-lhe algum sabor. Experimente meter rodelas de fruta ou legumes para aromatizar um pouco a água.

Exercício físico

O exercício físico é importante durante a manutenção do peso, já para não dizer que ele baixa os níveis de açúcar no sangue, reduz a inflamação e melhora outros problemas metabólicos associados ao excesso de gordura abdominal.

Aliar o exercício físico a uma dieta, para a perda de peso é o ideal. Ajuda-o a alcançar o seu objetivo mais rápido e com mais sucesso. Faça exercício com regularidade. Mas não faça só abdominais. Faça uma corrida ou uma caminhada em passo apreçado. Sabia que para além do exercício cardiovascular, a musculação também reduz a gordura em todo o corpo?

As mulheres que estejam na menopausa, podem mesmo ter maior perda global de gordura corporal quando fazem exercício aeróbico com regularidade.

Um estilo de vida sedentário é determinante para a formação de gordura visceral.

Reduza o stress

O stress leva o nosso corpo a produzir cortisol (hormona do stress) e os níveis elevados de cortisol aumentam o apetite.

Um estudo sobre este tema mostra mesmo que existe uma associação entre o stress incontrolável e a distribuição da gordura abdominal nas mulheres.

Portanto, relaxe, faça meditação, yoga ou dê um passeio pela natureza para se acalmar.

Consuma álcool com moderação

O álcool é uma bebida calórica, portanto, devemos evitá-lo. Mas, o seu consumo em excesso também provoca fome, levando-o a comer mais, o que faz aumentar a gordura visceral.

Se adicionarmos sumo ao álcool que vamos ingerir, então as calorias disparam.

Durma o suficiente

A qualidade e a quantidade do sono também afeta o nosso peso. As pessoas que não dormem o suficiente, tendem a aumentar o seu peso, especialmente a gordura na zona abdominal. Nunca reparou que quando anda mais cansado e com mais sono, costuma ter mais fome? Garanta pelo menos 7 horas de sono de qualidade todas as noites.

Curiosidade: Sabia que a apneia do sono também está ligada ao aumento da gordura visceral?!

Ómega 3

O Ómega 3 ajuda a reduzir a gordura visceral. Coma peixes oleosos, ricos em ómega 3 como o salmão ou a sardinha pelo menos 2 ou 3 vezes por semana. Quem não conseguir incluir este ómega na sua alimentação, pode sempre recorrer a suplementos dietéticos.


AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas a título informativo, não podendo, jamais, ser utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

Também poderá gostar: